por Giovanna Sapienza

Abandono

Hoje o que mais vejo nas ruas são pessoas abandonadas e, não falo daquelas que foram deixadas pela família ou pela sociedade, são aquelas que abandonam a si próprias. O tempo passa, a pessoa esquece de sua individualidade, esquece seu amor próprio guardado na gaveta, não se cuida mais e quando percebe a melancolia e a depressão já tomaram conta.
 
A meu ver esta é a pior crueldade que um ser pode realizar, o autoabandono. Uma forma trágica e desesperadora de levar a vida, que tem consequências mais desastrosas do que você pode imaginar. Ela acontece aos pouquinhos: um dia você deixa de pentear os cabelos, no dia seguinte você não tem ânimo para se arrumar, se acha feia, incapaz, aos poucos vai deixando que as pessoas te destratem, já não quer mais sair de casa, está sempre cabisbaixa e quando se dá conta está trancada dentro de seu próprio mundo. Há casos em que a vaidade pode até continuar, mas o cuidado interior não existe mais, você esquece da sua essência, descarta seu merecimento e fica pelos cantos mendigando atenção e cuidado, colocando fora de si todas as realizações da sua vida.
 
O maior problema de tudo isso é que as pessoas que realizam o autoabandono não se dão conta de sua realidade e, só buscam ajuda ou orientação quando estão em situações extremas de desgosto e desespero.
 
Real valor das coisas
 
A vida é um infinito de possibilidades, uma viagem maravilhosa que temos a chance de realizar para aprender e sermos pessoas melhores. Quando enxergamos as coisas por este prisma reconhecemos a benção que é estar vivo, ter o poder de realizar, amar, distribuir e ser o melhor que existe dentro de você.
 
Já citamos aqui, em outros textos, da importância da gratidão em nossas vidas e hoje eu retomo este tema para lhe falar que não existe felicidade sem gratidão. A falta de gratidão sinaliza a ausência da percepção correta da vida e das inúmeras coisas que nela acontecem. Quando conseguimos enxergar pouco ou nada de bom em nossa jornada,  é sinal de que estamos com nossa visão distorcida e negativada, isso sim é uma doença muito grave.
 
O estado primordial do espirito é a felicidade, o equilíbrio e a positividade. Lógico que TODOS temos os dois lados e, nem sempre estamos 100% bem e positivos, mas isso não significa que não sejamos gratos pelas coisas que a vida nos traz e tudo que conseguimos movimentar. Todos temos dias bons e dias ruins e isso é ótimo para o nosso desenvolvimento interior e nosso crescimento pessoal. É preciso que enxerguemos as coisas com mais racionalidade, percebendo que o centro dos acontecimentos e dos resultados estão dentro de nós.
 
Resgate interior
 
A partir de hoje resgate a visão racional das coisas, perceba que tudo parte de você, desde os pensamentos até as escolhas e direcionamentos. Transfira o centro da sua felicidade e da sua realização pessoal para seu interior, elimine as expectativas e pare de tentar descobrir o que o futuro lhe reserva.
 
Se tem um objetivo projete suas atitudes no hoje, para que elas sim te levem a concretização de seus sonhos. O caminho quem escolhe é você e, neste momento você tem uma arma muito poderosa em suas mãos: O PRESENTE. Utilize-a com sabedoria e sem parcimônia. Não desista de você. Cuide-se todos os dias, cuide de seu corpo, de sua mente, de sua alimentação, da roupa que você usa, dos programas que você assiste, das pessoas com as quais você convive. Tudo isso influenciará diretamente no que você é também nos seus resultados.
 
Para eliminar o autoabandono realize a autorresponsabilidade. Seu futuro só depende de você!

 

Giovanna Sapienza

+ artigos

Terapeuta Holística, Jornalista e espiritualista, fundadora do projeto Saber Pleno. Amante de arte, comunicação e natureza, já estuda espiritualidade e novos caminhos para saúde e bem estar há 5 anos. Acredita muito nas relações pessoais, nos processos energéticos e nos bons sentimentos como caminho para uma vida feliz.

Frase de cabeceira: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.”