por Regine Luise

Alguns amores são maiores que outros


Dizem por aí que não podemos ficar esperando por uma pessoa que nos complete. Pois bem, demorou muito tempo para entender e aceitar essa frase. Sábias palavras, agora concordo. Não preciso de alguém que me complete, preciso de alguém que me transborde.

No fundo, no fundo eu sempre soube que te encontraria. Diferente do que eu imaginava (em partes), mas exatamente como o coração pedia.  Chegou como quem não queria nada, ameaçou entrar pela janela, mas entrou mesmo pela porta da frente. E olha que não estava escancarada, mas você percebeu (assim sem querer), que a chave está bem debaixo do tapete.

Sempre acreditei que não existe lugar certo para encontrar o amor. Pode ser na rua, na praça, na escola, no trabalho. Você já estava lá, bem do meu lado. Demorei um tempo para perceber, mas ainda bem que deu tempo de retribuir o seu olhar.

Mais que isso. Retribuir as cantadas, os beijos, as brincadeiras, as carícias. Os sorrisos, as conversas... O amor. Porque foi isso que nós compartilhamos: amor! Não esse tal de amor tranquilo, que cantarolam ou recitam os poetas. Mas amor que vem derrubando tudo. Vem rompendo porta. Vem escancarando janela.

Não sei de quantos amores é feita uma vida, mas com certeza de vários. Sim, porque muitas pessoas precisam passar em nossas vidas para nos moldar e preparar um para o outro. Ou você acha que ex serve para o que?
É engraçado que em meio a tantos desencontros, você me encontrou. E na sequência fez eu me perder. Me perder no seu jeito, no seu cheiro, no seu toque, no seu olhar. No seu peito. 

Você me mostrou que amar com intensidade é bem melhor, mas só vale se tiver altos e baixos. Infernos astrais, sol, lua e quem sabe um mar inteiro.

Amar você era renunciar de muita coisa, mas o corpo nem reclama quando o coração está cheio. Essa vida é assim mesmo, nós vamos, separamos, voltamos. Nos encontramos, nos perdemos. Sorrimos, choramos.

                  Alguns infinitos são maiores que outros... Alguns amores também. 

 

 

Regine Luise

+ artigos

Jornalista, poeta e romântica nas horas vagas. Regine Luise ama, doa, sonha, dramatiza, sorri, chora e escreve. Não necessariamente nessa ordem.