por Yolanda Coppen

Ansiedade e a Síndrome do Pensamento Acelerado

Hoje assisti o vídeo do psiquiatra Augusto Cury, comentando sobre Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA). Recebemos tantas informações e em tão pouco tempo que nossos pensamentos giram com velocidade. Diversas reflexões vêm à nossa mente em segundos, desencadeando a necessidade de decidir, escolher e pronunciar. Esta velocidade, determinada por nós mesmos, causa-nos ansiedade.

“O tempo voa, os dias voam, o ano voa”, estas afirmações constantes confirmam o quanto os indivíduos estão absortos em seus ritmos frenéticos de trabalho excessivo e no desenvolvimento de ideias rápidas e urgentes.

A ansiedade nos prepara para enfrentar desafios, favorecendo adaptação às novas experiências de vida, como por exemplo, uma viagem ao exterior. Porém, não será normal ter uma preocupação excessiva ou expectativa apreensiva, pois isto já poderá ser caracterizado como um Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), conforme descrito no manual de classificação de doenças mentais. A ansiedade que perdura por meses acarreta em inquietação, irritabilidade, déficit de atenção e de memória, como também causa sofrimento e interfere na vida cotidiana de todo e qualquer indivíduo que passe por esta situação.

Estamos no mundo globalizado, que traz novidades constantes de todas as temáticas e que exige que cada ser esteja antenado com tudo.

Mas por que? Para que? A resposta, cada um terá a sua, mas vale a reflexão de que o ritmo de vida instalado pode ser modificado e o padrão de pensamentos e absorção de informações pode ser dentro de padrões estabelecidos por cada um.

Relaxar, diminuir o ritmo, determinar um tempo para descanso, lazer e ócio também são importantes e fazem com que o corpo possa adaptar-se de maneira íntegra aos processos da vida no século XXI.

Quais informações são necessárias? Tudo é importante? Que critérios estou estabelecendo para determinar a importância para as tarefas, informações e tudo que surge no período de 16 horas que estou acordada? Realmente durmo 8 horas por noite?

Todos estes questionamentos vêm ao encontro do que iniciamos neste texto. Estamos acelerados e há a necessidade de refletirmos as consequências disto em nossa saúde. Manter a ansiedade dentro de padrões normais é necessário para que possamos lidar com as situações novas que se apresentam em nossa vida, porém é primordial que sejamos eletivos nas escolhas, promotores de bem-estar em nós mesmos, desencadeando um olhar interior para identificar a velocidade que determinamos o nosso ritmo de vida.

Diante de tudo isto, que tal parar, tomar um café ou um suco e relaxar por 10 minutos? Olhar as nuvens, os pássaros... Sabe onde estão? 

Yolanda Coppen

+ artigos

Enfermeira, professora universitária. 25 anos de vivência na área de saúde e 14 anos na docência. Formanda pela UNIFESP, com especialização em Administração Hospitalar e Gestão de Efluentes Industriais e mestrado em Comunicação.