por Katy Frisvold

As cinco formas de abrir seus caminhos

Você sabia que a melhor magia que existe no mundo é a alquimia interna? Alquimia interna é o processo de transformar através do fogo da nossa verdadeira vontade os nossos pensamentos, sentimentos e ações. Descubra aqui os cinco obstáculos que atingem nove em cada 10 pessoas que buscam os serviços espirituais.

1. O azarado

A vida tem doçura e amargor em iguais proporções e se sua porção de amargor está maior, isso pode indicar um padrão mental negativo que atrai situações negativas. Para constatar se este é o seu problema faça um experimento simples. Carregue consigo um papel onde você anotará por um dia quantas vezes você pensou algo negativo sobre você ou outra pessoa. Anote também quantas vezes você falou mal de si ou de alguém. Você se surpreenderá com os resultados. Re-treine a sua mente com a correção necessária assim que o padrão ocorre, esforçando-se em procurar para cada ponto negativo, três positivos. Guarde seu julgamento e você terá uma atitude mais interessada, com melhores escolhas e eficientemente evitando o “azar”.

2. O sabotado

Você sente-se injustiçado? Pois saiba que este é um obstáculo que vai persistir enquanto você sentir-se assim. Repare o quanto as “lutas” e “políticas” têm incitado esta ideia de mérito em uma sociedade que – vamos admitir - reflete nossa minúscula capacidade de reconhecer mérito. “Mérito” é uma forma de subir na escala, mas “sorte” é a mais popular. Só que “Sorte” é uma dama caprichosa. Ela só olha para aqueles que não se ressentem dela quando ela surge para o oponente, para o menos capacitado ou merecedor. Se você perdeu a chance para alguém, fique feliz por esta pessoa, afinal, se a sorte sorriu para o sujeito, com certeza ela há de sorrir para você.

3. O sofredor

As paixões (de passio, sofrimento) não são temperos da vida, nem o sal. Se tendemos a atrair o que está em sintonia com nossa energia, é vital cultivar a análise fria frente às situações. Isso significa que você deve ser firme consigo mesmo e não se permitir entrar em brigas. Toda vez que você sentir o sangue subir, vá dar uma volta. Faça o mesmo ao ver-se confrontado por uma pessoa neste estado de “paixão”. Não há nada que não possa esperar os ânimos se acalmarem e, se possível, deixe a conversa para o dia seguinte. E desde que o que vemos nos influencia muito, evite assistir dramalhões e novelas. Nas novelas podemos observar que em todos os episódios sempre haverá gente chorando e alguém gritando. É por isso que achamos que este comportamento é normal. Só que não é. E faz mal.

4. O nostálgico

Quando temos uma infância e/ou adolescência complicadas, é muito comum buscarmos opostos de nossos pais em nossos relacionamentos ou na forma com que lidamos com as situações, e é assim que perpetuamos os padrões. Opostos de coisas que são negativas não são necessariamente positivas. Superar os pais é o primeiro requisito da maturidade e também o mais difícil. Compreender o papel de seus pais em sua formação, capacitado para vê-los sob uma perspectiva humana e realista e adicionando um pouco de generosidade e compaixão à equação, pode ser uma forma de curar as cicatrizes que todos os pais, invariavelmente, deixam em seus filhos. Isso fará você evitar toda uma gama de pessoas ou situações que andam se repetindo em sua vida.

5. O pobre

A pobreza só acaba quando a lavamos para fora de nossas vidas. Isto é, quando paramos de tomar atitudes “pobres”. Exemplos de atitudes “pobres” são: reclamar da vida constantemente, não ter capacidade de agradecer ou de compartilhar quando as coisas vão bem, querer levar vantagem em tudo, achar que seu tempo é mais precioso que o dos outros, ser agressivo por qualquer coisa, alfinetar com comentários, ser barulhento, etc. Não é o que você tem ou veste que revela que você é uma pessoa “pobre”, muito menos o seu carro ou celular. Uma pessoa “pobre” sempre atrairá pobreza para si, porque lhe falta a atitude nobre. Pessoas nobres atraem para si tudo o que há de belo e bom. Pense nisso.

Katy Frisvold

+ artigos

Katy Frisvold é taróloga e atende somente uma vez por mês em São Paulo, no Centercom Terapias Complementares. No restante dos dias é uma bruxa que anda descalça em um sítio no meio do mato. Katy é membro da L’Ordine Della Lvna Constantinople, Les Coulevres Noire et Rouge Societés des Sorciers (OTOA) no Brasil, Choronzon Club (Daath) e L’Ordre des Chevalier Elus Cohen de l’Univers. Também é professora de ciências ocultas e assim, uma eterna estudante.