por Giovanna Sapienza

Ciúmes, uma arma letal

O ciúmes é um comportamento bem aceito em nossa sociedade, tratado com total normalidade e muitas vezes até estimulado. Vendido como algo saudável e positivo, ele está presente nas relações afetivas, familiares, materiais e até nas rodas de amizade. Em muitos casos o ciúmes se torna sinônimo de amor e carinho, um gesto bonito e até querido por muitas pessoas. 

Até que ponto o ciúmes pode chegar? É normal ter esse tipo de sentimento?

O que muitos não sabem é que este comportamento está diretamente associado a um conceito extremamente fatídico e doente, a posse. Quando temos ciúmes de algo ou de alguém nos sentimos possuidores daquela natureza, portador de um aval e de direitos que na verdade não existem. Nos sentimos coordenadores da vida de uma pessoa, com direito de questionarmos seus passos, controlarmos seus sentimentos e reações a respeito da vida e até de outras pessoas. 

O ciúmes é um sentimento tão nocivo e destrutivo quanto a raiva, não interessa em qual nível esteja. Temos que compreender que somos seres livres e independentes, e que o verdadeiro amor só existe na liberdade. Quando aceitamos nossa natureza, compreendemos que respeitar o outro e seu direito de ir e vir é o primeiro passo para que consigamos construir uma relação sólida e verdadeira.

Pense bem, você realmente gostaria e se sentiria confortável sabendo que uma pessoa só está com você porque você controla seus passos e sentimentos? E o dia que você se cansar de fazer isso, será que esta pessoa continuará com você? Como podemos ter certeza de um amor verdadeiro se não damos espaço para que cada um viva sua essência e suas necessidades? Infelizmente uma sociedade altamente viciada e materialista não poderia ter outro conceito de relacionamento, afinal, quanto mais doente (mental e espiritualmente) somos, mais doentes são nossas relações.

Pense em você, nos seus anseios, vontades e sentimentos. Pense e projete a verdade que você quer para sua vida e para o seu coração, preze por isso. Entenda que quando buscamos a realização interior e o autoconhecimento, não sobra espaço para cuidarmos da vida dos outros e sim para caminharmos juntos. Agindo desta forma teremos a certeza de que todas as pessoas que estão ao nosso lado, permanecem porque realmente nos amam e possuem total vontade e disposição para nos acompanhar e crescer junto conosco. 

Giovanna Sapienza

+ artigos

Terapeuta Holística, Jornalista e espiritualista, fundadora do projeto Saber Pleno. Amante de arte, comunicação e natureza, já estuda espiritualidade e novos caminhos para saúde e bem estar há 5 anos. Acredita muito nas relações pessoais, nos processos energéticos e nos bons sentimentos como caminho para uma vida feliz.

Frase de cabeceira: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.”