por Andrea Pavlovitsch

Como fazer seu casamento dar certo (parte 2)

Estamos aqui falando do amor e do casamento. Como eu disse, esse tema foi pedido na minha fanpage do Facebook e achei que era mesmo uma coisa interessante de dizer.

Outra coisa importante é o conceito do “dar certo”. Outro dia vi uma entrevista com o Jô Soares. Ele foi casado, separou-se, e declarou que a separação dele não deu certo, porque eles se veem todos os dias. Ou seja, não interessa o status da relação no Facebook, interessa que eles estão juntos e felizes, lá do jeitão deles. Qualquer cobrança de papéis pode arruinar a relação.

Você já deve ter ouvido aqueles casos de pessoas que viveram juntas muitos anos, sem se casar. Um dia, decidem se casar. Fazem a festa, ou vão ao cartório. Depois disso a relação despenca. No filme “SexThe City”, Carrie (a personagem principal) fala para o noivo depois de ser deixada no altar: “O interessante é que a gente era feliz antes de querer ser feliz para sempre”. O que é isso? A partir do momento em que assinamos os papéis, é como se ganhássemos um hall de obrigações. E o parceiro também! “Agora ele é meu marido, ele tem que isso e aquilo”. Cobranças que, muitas vezes, são descabidas. Se a coisa funcionou daquele jeito, até aquele momento, qual é a dificuldade.

Não podemos nos prender aos papéis que representamos em nada na vida, muito menos no casamento. Aquela mulher do cara que trai, lá em casa, não é a “minha esposa”. É a fulana, aquela que eu fiquei a fim, passei meses paquerando, conversei no banco da praça ou tinha um sexo maravilhoso. Parece que, um dia, a pessoa sai de si mesma e passa a ser um personagem. Não cair no personagem é uma boa maneira de manter um casamento feliz e vivo.

O casamento que dá certo é aquele em que as pessoas evoluem juntas. Elas conseguem se manter ativas, ter as próprias vidas, ter privacidade e ainda assim compartilhar as coisas com o outro. Tem os mesmos interesses, mantém a chama do amor acessa, mas, principalmente, vão na mesma direção de vida. Se em qualquer momento um dos dois mudar o prumo do navio, acabou. E isso quer dizer que deu errado? Não, só quer dizer que mudou e que, hoje em dia, ainda temos tempo para isso.
 
Pense nisso! 

Confira também: Parte 1 • Parte 2

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.