por Jefferson L. Orlando

De onde vem a verdadeira felicidade?

Qual seria o melhor investimento da sua vida?

Muitos poderiam dizer viajar, outros comprar uma casa ou um apartamento, comprar um carro, uma moto, comprar equipamentos eletrônicos, roupas, sapatos, relógios e assim vai uma lista que não tem fim. Comprar, comprar e comprar, desta forma, onde vamos parar?

Pergunto aonde a pessoa vai parar seguindo este modelo de felicidade que tem tempo certo de duração e sua dependência é muito ruim colocando-a em uma ilusão material muito perigosa.

Com isso não estou dizendo que não devemos comprar coisas para nossas vidas, trabalharmos para melhor de padrão, movimentar as energias da prosperidade material e financeira, mas ao mesmo tempo estou dizendo o quanto é importante colocar o material no seu devido lugar.

Vivemos um modelo capitalista no mundo inteiro, a cada instante estamos sendo bombardeados a consumir todo tipo de produtos e serviços que na grande maioria deles não precisamos para ser verdadeiramente felizes.

Não vou explicar o que é felicidade de verdade.

Afinal, o que é a verdadeira felicidade para você?

Para, pense, reflita, o que vem na sua mente?

Agora faça a mesma pergunta, o que é a verdadeira felicidade para mim, porém agora somente sinta com o seu coração! O que você sentiu?

Se você notou diferença entre as duas formas de perguntar, primeiro quando pergunto se observou o que veio na sua mente e segundo quando se permite sentir sem julgamento da mente, então é porque tem algo a ser ajustado nesta caminhada rumo a sua verdadeira felicidade.

Sabemos que a felicidade é um estado de espírito, todos nós já ouvimos falar nesta expressão e a mesma é verdadeira, ou seja, ela vem do espírito.

Há milhares de anos atrás povos antigos do oriente (Hindus) diziam que o espírito antes de encaixar no corpo (encarnar), entrava pelo topo da cabeça (chacra coronário) e instalava-se no coração (chacra cardíaco) durante uma vida inteira e quando a hora de morte (desencarne) chegava, o espírito saia pelo topo da cabeça. Ta aí a explicação da expressão: Siga o caminho do coração!.

O que é seguir o caminho do coração?

É seguir o caminho do Espírito, o caminho da espiritualidade.

Quando estamos entorpecidos nas ilusões da materialidade em suas momentâneas tramas ilusórias, o espírito se distancia de sua essência espiritual e na grande maioria das vezes se perde gerando muitas dores, tanto físicas, mas principalmente emocionais, psicológicas e espirituais.

Não busque sua verdadeira felicidade em coisas materiais, em coisas que não poderá levar contigo quando partir mais uma vez deste planeta, corra em direção das coisas que preenchem o coração (espírito), como o amor, felicidade, paz, amizades, se sentir útil, trabalhar em algo que te realize profundamente, solidariedade, perdão, compaixão, estudos e tantas outras coisas que fazem a vida valer...

Quando a morte bate na porta, nos instantes finais desta jornada, virá um filme na sua mente e neste momento você não pensará que deveria ter comprado aquele carro bacana, aquela casa de três dormitórios, aquele terno, aqueles sapatos, você irá pensar porque não amou, não foi feliz, não perdoou, não brincou, não riu mais, não fez amizades e outras centenas de coisas que só a alma pode realizar.

Tudo que o corpo pode realizar é por ação do espírito, emoções, sentimentos, pensamentos e atitudes são de origem/ordem espiritual, o corpo material é o veículo e não ao contrário.

Há necessidade deste despertar e principalmente colocá-lo em prática. Tudo que sentimos e pensamos levaremos após a partida desta jornada. A morte acontece somente para o corpo material, a vida continua e sempre continuará para o espírito (corpo astral), esse é a fonte de toda a vida, é imortal.

Vou encerrando este texto com quatro parágrafos do Paramahansa Yogananda* do livro (Como ser feliz o tempo todo) que valem por uma vida inteira. Foi através destas lindas palavras que surgiu o Sol do Everest em Outubro de 2011...

"Para que gastar todo o nosso tempo com coisas que não duram? O drama da vida tem sua moral no fato de ser apenas isto: um drama, uma ilusão.

Os insensatos, imaginando que a representação é real e duradoura, lastimam as partes tristes, lamentam que as alegres não se eternizem e deploram que a peça tenha de acabar.

O sofrimento é o castigo de sua cegueira espiritual.

Os sábios, porém, sabendo que o drama não passa de ilusão, buscam a felicidade eterna no Eu interior.

Amor Determinação Confiança"

Jefferson L. Orlando

+ artigos

Psicoterapeuta Reencarnacionista, Palestrante, Ministrante, Escritor, Apresentador do Programa Sol do Everest (Canal YouTube), Outorgado pela Magia Divina, Projetor Extrafísico e Espiritualista. Reside e atende em São Paulo/Capital com a Psicoterapia Reencarnacionista, Regressão Terapêutica e Bioenergético Anímico-Mediúnico através da Magia Divina.