por Camila Caproni

Dia dos N(amor)ados

Enquanto em outros países é comemorado em 14 de fevereiro, aqui no Brasil o dia mais fofo do ano é em Junho no dia 12. Tal data está relacionada ao frei português Fernando de Bulhões, mais conhecido como Santo Antônio.

Em suas pregações religiosas, destacava sempre a importância do amor e do casamento. Portanto, após ser canonizado pela igreja, ganhou fama de santo casamenteiro. Sendo 13 de junho Dia de Santo Antônio, a véspera se tornou o Dia dos Namorados.

Assim entendido o sentido histórico desse dia, passemos para o assunto em questão.

Hoje percebo que o Dia dos Namorados perdeu a sua importância. Porém, datas comemorativas em minha opinião, foram feitas pelo comércio a fim de faturar mais e melhor. O que quero dizer em perder a sua importância não seria pelo dia pouco comemorado pelos casais ou pela falta de troca de presentes. Mas sim, pela falta de respeito e cuidados para com seu companheiro.

Sou do tempo em que as coisas, quando quebradas, eram consertadas e não trocadas. Relacionamentos de hoje em dia são frágeis devido a inseguranças ocasionadas pela falta de cuidados e pela certeza de que se não der certo, basta que se troque por outro. Então, me expressando melhor, as relações em si perderam a sua importância. E se os casais só se tornam perfeitos no Dia dos Namorados então que todos os dias se tornem 12 de Junho.

Não existe nenhuma fórmula para um relacionamento perfeito. Afinal, a perfeição está longe de ser agradável, pois para cada pessoa, “o perfeito” toma formas diferentes. Mas que todos entendam qual o real significado de um relacionamento. Pois quem está ao seu lado, mesmo com todo o mundo a ser descoberto, escolheu estar ali, com você. Então, já dizia Machado de Assis: “Cada qual sabe amar a seu modo. O modo pouco importa, o importante é que saiba amar.”

Feliz Dia do mozi, bebê, gatão, gatona, coração, amor, príncipe, princesa e afins. Feliz Dia dos Namorados a todos os casais de boa fé!

Camila Caproni

+ artigos

Aspirante a jornalista. Se perde e se encontra no mundo das palavras. Observadora do comportamento humano.
Apaixonada por cães e suas peculiaridades. Autocrítica nas horas vagas e fã de fotografias e chocolates Ferrero.