por Selma Godoy

Faça a coisa andar

Prosseguindo com as Leis Cósmicas, vamos à 5ª delas que é a Lei da Funcionalidade.  É mais um dos determinismos do universo para nos levar ao crescimento.

Do ângulo de visão que nos encontramos não é possível ter clareza, mas, estudando as Leis Cósmicas podemos perceber o cuidado que a vida dispende para o nosso progresso.
Quando nos referimos à “vida” estamos falando dos mecanismos naturais sincrônicos, incluindo nisto, nossa individualidade. O objetivo é um só: desenvolver nossas habilidades e talentos. O que emperra é o “ego”, que se propõe a fazer as coisas “do seu jeito”.

Sabe como age a criança birrenta? Ela cisma que tem que ter as coisas do seu jeito! E a vida vai ter que dar um jeito, só porque “ela” quer. E para fazer funcionar, a vida a frustra, como se estivesse observando, balançando a cabeça, rindo e dizendo:  “Não querida, não é por aí!”.

O “estímulo desconfortável” é fundamental para fazer “levantar o traseiro do sofá”.  Quando somos convidados a fazer algo novo podemos nos esquivar, com a desculpa que for, mas depois de umas “rasteiras”, decidimos encarar “de boa vontade”. Aliás, a finalidade de convivermos com tantos “salafrários” é nos tornar espertos. A coragem e a bondade não podem ser ingênuas. 
     
Para incrementar, a vida dispõe de diversos mecanismos, um deles é a Lei de Integridade. Esta é uma lei secundária que se encaixa na 1ª lei, a Lei da Individualidade.  Ela determina que quanto mais conscientes, mais responsáveis. E daí, funciona assim: se já fizemos algo melhor e voltamos ao “pior”, nos machucamos. Enquanto, não temos maturidade a vida releva, quando já “mais sambados” não tem perdão.

Vamos a um exemplo: Imagine uma pessoa que é “desencanada”, não se afeta pelos comentários alheios e não tem encrenca na vida. Daí, ela é traída e ressente-se exageradamente. Certamente, terá problemas de saúde e se permanecer no drama ilusório, a coisa pode piorar.

A vida é extremamente amorosa e por isso, exigente. É como uma mãe que é durona diante da “manha” do filho. Ela ama com sabedoria. Daquilo que a vida nos dotou ela vai exigir aprimoramento e o retorno com a contribuição ao coletivo.

É claro que, não há como adquirir maturidade e discernimento sem treino. Não há como aprender a fazer certo, sem fazer “errado”, assim como não há como acertar o “tiro no alvo” sem que se atire milhares de vezes fora. Portanto, não dá para escapar de trabalho, suor e frustração. Mas, dá para fazer todo o possível. E, no caso de não saber o que fazer, peça com humildade e aguarde a resposta com calma.

Os desafios e as “provas” - no sentido de provar ou experimentar - permanecem até o exato momento que o “empurrãozinho” funcione. Quando entendemos a mensagem e fazemos o que tem que ser feito, a página vira, e entramos na etapa do merecimento. 

Selma Godoy

+ artigos

Terapeuta de Aconselhamento. 20 anos pesquisando Espiritualidade, Comportamento e Psicologia.