por Andrea Pavlovitsch

Não existem frigideiras no amor

Se você é como eu, já se ferrou muito nessa parte. E se, mesmo se ferrando já achou a tampa da sua panela, que legal, isso quer dizer uma coisa: você superou um desafio.

Ontem à noite tirei algumas cartas da Deusa (é um oráculo que eu super recomendo ter em casa). E perguntei sobre esse assunto. Ela respondeu que eu preciso me responsabilizar mais por mim mesma, antes de amar. E eu entendi o recado. Esse é um desafio para mim, não é culpa de mais ninguém.

O grande problema é que é fácil desistir. Algumas pessoas desistem depois de um único relacionamento frustrante. Algumas pessoas demoram mais, tomam mais na cabeça, como dizem. Mas não, não existe ninguém que seja uma frigideira e não tenha uma tampa. Isso é só uma maneira de uma pessoa que desistiu de amar se posicionou. Ah, já que eu não encontrei, é porque não existe.

Na verdade, o desafio é olhar para dentro de você. Analisar profundamente porque isso ainda não aconteceu com você ou porque você sempre atrai um tipo específico de pessoa problema, por exemplo. A resposta está aí dentro. Depois de ir dormir com essa, eu tive um sonho interessante. Sonhei que estava deitada em uma cama, em um tipo de hospital espiritual. Uma enfermeira chegava até mim, mas olhava debaixo da cama e via uma bruxa lá. A enfermeira repetia: “Ela é muito feia, está muito mais feia do que da última vez”. A bruxa fugia de mim e repetia: “Eu não vou deixar ela casar nunca”. A enfermeira ficou brava comigo porque eu fui procurar ajuda mas eu não tinha ainda me livrado da bruxa.

E o que é a bruxa? São as minhas crenças, minha sombra negativa que me faz não ver o que é necessário para a minha felicidade nessa área. E qual é a sua? Não adianta procurar o homem ou a mulher certos, se não tivermos limpado tudo dentro da gente e estivermos realmente dispostos a viver bons relacionamentos. Não relacionamentos dramáticos ou problemáticos, mas relacionamentos inteiros, legais, positivos como tudo aquilo que merecemos.

Eu estou encontrando com ela, a minha bruxa. Não sei ainda quem ela é direito, mas vou procurar saber. Antes de se jogar na aventura do amor, jogue-se na aventura do autoconhecimento. É bem mais interessante e os resultados são garantidos. No mínimo você vai saber melhor quem você é e sofrer menos com a chamada “solidão”.

Pense nisso!

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.