por Vera Chrystina da Costa

O feminino sagrado nos arcanos maiores do Tarô

O Tarô é um conjunto de cartas que surgiu na Itália no século XIV e é dividido em 22 Arcanos Maiores e 56 Arcanos Menores.

O feminino sagrado é representado nos Arcanos Maiores com os seguintes nomes: A Sacerdotisa, A Imperatriz, A Justiça, A Força, A Estrela, A Lua.  Vamos descobrir neste texto, de maneira breve, a mensagem de cada uma delas.

A Papisa ou Sacerdotisa – O Arcano dois do Tarô retrata uma papisa ou uma sacerdotisa nos baralhos modernos, sentada em seu trono entre duas colunas no interior de um templo.

A Sacerdotisa é a senhora das águas, da energia lunar e feminina. É o princípio passivo. É a representação da mãe, da grande deusa que gera a vida e a morte. Ela é face feminina de Deus/ Deusa e tudo que existe e que encerra em si mesma o mistério da vida. Ela produz e contém a vida. A Sacerdotisa não pertence a nenhum homem, só a si mesma.

Ela é a senhora das experiências internas, da intuição, da magia velada. Em alguns tarôs é relacionada à Perséfone, Isis, Virgem Maria.

No campo da consciência, a Sacerdotisa indica um tempo de reflexão, estudo e espera. É o momento de valorizar o mundo interno, ter calma e acreditar em sua voz interior.

A Imperatriz – Nos tarôs modernos ela é retratada sentada confortavelmente em seu trono e rodeada pela natureza exuberante. Se a Sacerdotisa governa o mundo interno, A Imperatriz governa o mundo material e mundano. Ela representa o prazer feminino, a alegria de viver. Ela é a terra fértil, a mãe natureza, o espírito encarnado que cria a realidade com prazer e desfruta a vida com entusiasmo. A Sacerdotisa é introspectiva, a Imperatriz éextrovertida, feliz, criativa e flexível.

No campo da consciência a Imperatriz indica um tempo de criatividade e muitas ideias. É a consciência corporal que permite que o espírito vivencie o prazer de estar encarnado e assim possa evoluir e gerar vida e trabalho com grande disposição e alegria. É desfrutar a matéria sem culpa ou medo.

A Justiça - O arcano número oito do Tarô representa o poder feminino sobre-humano. É representada por uma mulher, sentada em seu trono. Em uma das mãos segura uma espada, símbolo de ação e na outra uma balança, símbolo do equilíbrio dos opostos.

A Justiça é a senhora do domínio da razão e ela nos ensina que somos responsáveis por nossas ações e destino. Ela pode ser relacionada à Deusa Maat, deusa egípcia da Justiça, que pesava o coração do morto em um dos pratos da balança e no outro, uma pena, símbolo da verdade. Se a balança estivesse equilibrada, o morto poderia comemorar com as divindades, se estivesse em desequilíbrio era mandado para ser devorado por Ammit, senhor do mundo subterrâneo.

No plano da consciência, a Justiça indica que o momento é de cautela e exige a correção dos nossos excessos. Analisar os fatos da vida de maneira racional e fria. É um momento de um reajuste energético, fundamental para o equilíbrio da vida.

A Força – O Arcano número onze do tarô é representado por uma mulher que segura suavemente a mandíbula de um leão. A força aqui, não é física, mas espiritual.

Ela é o primeiro arcano a retratar uma mulher de pé, o que lhe confere maturidade e capacidade de sobrevivência. É a energia da amazona, da xamã. Ela também possui poderes mágicos e faz isso sem nenhum instrumento ritualístico e sim com as suas próprias mãos. Ela representa a coragem e a força feminina que doma os instintos primitivos.

No campo da consciência, a Força indica o contato com a própria capacidade de realização. É a conexão entre o espírito e a força de vontade para a materialização dos seus desejos. É contar consigo mesma e mais ninguém. É ter consciência que a força espiritual pode ser canalizada e realizada com maestria.

A Estrela – A laminade número dezessete, A Estrela, é representada por uma mulher nua com duas ânforas nas mãos. Uma delas verte água para um lago e a outra para a terra. Neste arcano, as estrelas, a terra, a água, o pássaro e a mulher nua estão em plena comunhão e interação.

A nudez aqui representada simboliza a libertação do ego de coroas, tronos, escudos ou palácios. Uma nova dimensão da realidade é vivenciada e alcançada. As águas que estavam represadas no Arcano da Temperança, aqui fluem harmonicamente. Harmonia, palavra – chave do mistério deste Arcano.

No plano da consciência a Estrela representa o conhecimento de um plano maior, despojado das amarras do ego e que tem o conhecimento de que o universo também é constituído de informação. Tudo se comunica, independente de um cérebro para isso. É a certeza de que tudo está interligado e dialoga: vegetação, terra, céu, animais, estrelas, galáxias.

A Lua – Símbolo do feminino e da Deusa por excelência. Representa a grande Mãe, os ciclos da vida e da morte. Ao longo dos anos este arcano adquiriu mais elementos, aumentando assim a sua complexidade.

E relacionada em alguns tarôs com Hécate, a deusa da Lua.

No campo da consciência indica uma fase de confusão, medo e dúvidas. A noite escura da alma. Experiências de clarividência e intuição são sentidas quando adentramos este portal. Para se alcançar a luz, é necessário encarar a sombra, os medos, não tem jeito. É preciso seguir em frente.