por Equipe Instituto Biosegredo

O que dançar traz de bom para a vida?

Por Flavia Paradela

Antes de elaborar qualquer alfabeto escrito, o ser humano dispunha de uma complexa ferramenta, porém de infinitas possibilidades de expressão: o corpo.
Usando a emissão de sons guturais ou monossilábicos, explorando seu gestual de forma espontânea ou codificada, os primeiros habitantes da Terra buscaram comunicação entre si e com o Incognoscível.

Dançar para conseguir a caça (o alimento), dançar para os deuses e deusas da natureza, dançar para a procriação, dançar para a guerra, para comemorar a colheita.
Assim como criaram utensílios que facilitassem as atividades diárias, hoje recebendo a denominação de objeto de arte nos museus, a dança era parte integrante da vida nos primeiros tempos, antes de ser projetada para espaços específicos para sua apreciação.

Onde foi que perdemos a conexão com o nosso corpo e com o movimento inerente a ele?

Uma das explicações pode estar em quando o homem deixa o nomadismo para fixar-se em lugares onde possa cultivar ou extrair algo, criando sua prole, listando agregados, e assim elaborando ações que organizem estes pequenos grupos que aí se formam, já esboçando o que entenderíamos como sociedade posteriormente.

Na Grécia, berço de muitas ideias que temos permeado em nosso tempo desde então, surge o conceito de sociedade, com leis que determinam quem é cidadão, seus direitos e deveres, qual a posição de cada elemento neste contexto e suas funções.

No início tínhamos o comando das tribos através do matriarcado, onde respeito e sabedoria eram recebidos com reverência e não aceitos através do medo, injetado com a ocupação pelo patriarcado.

No matriarcado, a ideia de união do masculino e feminino em cada ser era algo natural, enquanto no patriarcado é feito um corte, soterrando o culto à Grande Deusa e todos os rituais (incluindo a dança como forma de oração) a ela relacionados, segregando estas partes, que por si só são inseparáveis.

Hoje, apesar de ainda vivermos tantas formas de preconceito, há uma abertura de consciência entre homens e mulheres, mesmo que tardiamente, onde se permitem vivenciar seu gesto, corpo, movimento nas mais variadas modalidades de dança existentes.

Deixando um pouco de lado a busca estética da dança, que se conquista através de maior disponibilidade de tempo para treino contínuo, o ato de dançar contribui para um movimento energético interno, fazendo circular o que estava parado, aumentando o fluxo de respiração, oxigenação do cérebro, ligações sinápticas, propiciando um mover-se mais fluído, pensamentos mais claros, coerência entre mente e gesto.

Dançar provoca ainda um olhar mais atento para tudo ao nosso redor, assim como o que nos acomete pelo lado de dentro: onde estão os pontos fracos e fortes, onde há maior rigidez ou flexibilidade, quais canais de percepção atuantes, o que de ambos os lados (dentro e fora de mim) se repelem ou se aproximam e que são combustíveis para o agir ou não-agir.

Dançar propicia a integração. O eu comigo mesmo, o eu com o outro, o eu com o mundo. 

Somos todos, peças de uma mesma engrenagem, que está em constante movimento e sempre faz a cada um o convite de permitirmo-nos as infinitas possibilidades que a vida oferece a cada instante.

Estagnação foi um conceito criado e cultuado pelo homem, porém, o Universo cria sua própria dança sempre que o movimento se faz necessário.

Reconhecer que há em si a porção masculina e feminina, cada um com as atribuições que lhe são específicas, porém complementares, é parte deste processo de integração.

Aproximar mente-corpo-espírito é unir elos fundamentais para uma vida criativa, próspera, equilibrada, e a dança nos dá este caminho.

Sabe aquela música que quando vocês ouvem sempre uma parte do seu corpo se manifesta, convidando-o a dançar? Pois então! Coloque-a em alto e bom som (mesmo que com fones de ouvido para não perturbar o vizinho) e ponha-se à mexer, sem se importar com considerações de qualquer natureza.

O melhor de tudo será a sensação de alegria e bem estar que isto trará a você!

Dance por qualquer razão, pois o corpo não cria distinção ao expressar-se, e sim viabiliza a inclusão do que faz uma totalidade.

Equipe Instituto Biosegredo

+ artigos

Instituto Biosegredo
Rua pelotas, 271 – Vila Mariana
São Paulo - SP

site www.institutobiosegredo.com.br

fone (11) 3520-0500