por Paulo Bregantin

O que Freud e Jung falam sobre sonhos?

Os sonhos são realizações de desejos”, assim disse Freud quando em resumo falou sobre sonho. E, Freud desencadeou um processo onde destacou a condensação e o deslocamento:

Condensação: Um certo número de temas, imagens, figuras e ideias são combinados em uma só.

Deslocamento: Os pensamentos importantes da vida se manifestam de forma diferente como na realidade, por exemplo: Ter um problema no trabalho, a pessoa chegar em casa e chutar o cachorro. Como este tipo de deslocamento ocorre o tempo inteiro, Freud diz que só usando as associações de quem sonhou se pode chegar ao mapa emocional do sonho.

Logo, tanto a condensação como o deslocamento são fundamentais para se entender e interpretar sonhos segundo a teoria de Freud.

Para Jung interpretar sonhos além da condensação e do deslocamento, ele inseriu os arquétipos (individuais e coletivos). Para ele, “O sonho é, conforme sabem, um fenômeno natural. Não é fruto de uma intenção. Não podemos explicá-lo a partir de uma psicologia que provém da consciência. Trata-se de um modo específico de funcionamento que não depende da vontade e do desejo, da intenção ou do objetivo do Eu Humano. É um acontecimento não intencional, assim como todos os acontecimentos da natureza” (JUNG, 2011, p. 16).

Jung define o sonho em quatro partes:
      
1) O sonho representa a reação inconsciente frente a uma situação

2) O sonho representa uma situação que é fruto de um conflito entre consciência e inconsciência. 

3) O sonho representa a tendência do inconsciente cujo objetivo é uma modificação da atitude consciente. 

4) O sonho representa processos inconscientes que não evidenciam uma relação com a situação consciente.

Em resumo os sonhos para Freud e Jung são fundamentais para entendermos nosso inconsciente e o consciente. Se desejarmos saber quem somos de verdade, devemos dedicar um tempo de nossas vidas para o entendimento dos nossos sonhos, principalmente dos sonhos recorrentes.

Sonhar é um direito de todos os seres humanos, interpretá-los é uma dádiva para aqueles que buscam o autoconhecimento.

Paulo Bregantin

+ artigos

Mais de 25 anos dedicado ao cuidado de pessoas, sendo Psicanalista Clínico e escritor com várias obras publicadas. Atua nas redes sociais como dono, gerenciando a página Paulo Bregantin e o Grupo Psicanálise Integrativa.

facebook /Paulo-Bregantin