por Erickson Rosa

4 comportamentos que geram baixa autoestima

Se você está lendo esse artigo, provavelmente já leu a primeira parte sobre os 3 primeiros comportamentos que geram baixa autoestima. No artigo passado, falei sobre como a autoestima influencia nossa vida e os 3 primeiros comportamentos que geram a autossabotagem na autoestima. Se não leu o primeiro artigo, então veja nesse link. É importante que leia para compreender o que vamos falar aqui.

Nesse artigo, você aprenderá:

  • 4 dos 7 principais comportamentos que geram baixa autoestima.

  • Estratégias para lidar com esses comportamentos.

Sem mais delongas, vamos aos 4 principais comportamentos:

Autorrejeição

Não se aceitar é o primeiro passo para destruir sua autoestima. Pode parecer fatídico, mas uma pessoa que não aceita suas emoções negativas cria uma barreira interna que gera desgaste emocional. Funciona assim: digamos que você sente muita raiva, mas foi ensinada desde pequenininha que sentir raiva é algo feio e terrível. No momento em que o sentimento surge, você irá negar essa emoção, criando uma barreira para evitar sentir essa raiva.

Essa barreira cria uma força oposta e isso tende a se intensificar. Se não aceitamos a raiva presente em nosso interior, perdemos a oportunidade de encontrar o seu verdadeiro motivo. Veja que não estou dizendo para sucumbir à emoção, levando ela ao comportamento, mas sim entender e olhar para sua raiva, ver a origem dela. Por isso, é fundamental aceitarmos os pensamentos e emoções negativas, pois se não aceitamos geramos rejeição a nós mesmos (nesse artigo, ensino como aceitar os pensamentos e emoções negativas).

Conceito negativo sobre si

Enumere suas 5 principais qualidades e depois enumere seus 5 principais pontos de melhorias (ou que acredita serem defeitos). Se está mais fácil para você enumerar seus defeitos, então precisa melhorar o conceito que tem de si mesmo. Quando temos um conceito muito negativo sobre nós mesmos, isso acaba com nossa autoestima. Imagine um amigo que você só o critica, como ele se sentiria?

Pare agora mesmo de ser tão severo consigo e reduza as críticas. Faça também uma lista de todas as suas qualidades, converse com seus amigos e pergunte quais são os seus pontos positivos. Isso ajudará você a aumentar o conceito sobre si.

Inflexibilidade consigo

Uma coisa você pode ter certeza: você vai errar. Todos nós vamos errar ainda e isso é extremamente normal. Porém, têm pessoas que são extremamente inflexíveis consigo e acabam por se culpar e condenar por seus erros. Para deixar bem claro isso, gosto muito de dar o exemplo de como tratamos um amigo que erra ou falha em algo. Provavelmente você não critica seu amigo e o condena, mas o conforta e o faz olhar para algo positivo daquela situação. Por que não fazer isso com você mesmo? Seja flexível e tolerante com você.

Sentimento de culpa

Se não somos flexíveis e compreensivos é natural gerarmos o sentimento de culpa. Culpamos e condenamos nossas ações e atitudes passadas, ao invés de aprendermos e entendermos que os erros e falhas são primordiais para nosso aprendizado e evolução. De nada adianta ficarmos nos culpando, pois isso aprisiona nossa mente no acontecimento passado, achando que podíamos ter agido de maneira diferente. Ora, tente compreender que perante aquela situação você agiu da melhor maneira possível e que se errou, pelo menos aprendeu e pode agora agir de maneira diferente.

Se gostou desse artigo, compartilhe e curta. Isso ajuda na divulgação do meu trabalho e, assim, posso ajudar outras pessoas. Um grande abraço e até a próxima.

 

Confira também: Parte 1 • Parte 2 • Parte 3 • Parte 4 • Parte 5

Erickson Rosa

+ artigos

Terapeuta holístico, Mestre Reikiano e formado em psicoterapia holística. Fundador do Coach Matinal e autor do e-book Ansiedade Sem Remédios. Ministra cursos e eventos com temas como a motivação, psicossomática, fisiognomonia e meditação.