por Andrea Pavlovitsch

Mude a sua energia de atração

Já reparou que aquele dia em que você sai mais "mulambenta", com o cabelo preso num coque displicente para só pegar farinha no supermercado é o dia em que mais te olham? E quantas e quantas vezes você se arrumou todinha para a balada, colocou um sapato que cortava seus dois pés no meio, um cabelo que demorou duas horas para ficar pronto e voltou no zero a zero, bêbada ou conseguindo um beijo chocho de um carinha estranho na porta? Não é isso! E possivelmente você tenha se arrumado "tanto" justamente porque não se sentia segura para ser você mesma! E o que tem de errado em você ser você mesma? Porque você ainda cisma que tem alguma coisa muito, muito errada com você?

E sim, como você faz para ele te amar? Como você faz para ele parar se repetir a ladainha de que é "um cara livre que não curte compromisso" e que te liga as três da manhã, meio tonto, te perguntado o que você tá fazendo e procurando um sexo rápido? Para você, conversando com uma amiga no dia seguinte dizer que ele é legal, tem aversão a compromisso mas lá no fundo achando que um dia ele vai mudar e te pedir em casamento. Não vai meu bem. Esquece. 

Você não tem esse poder. Pronto. Falei. Você não tem como fazer ninguém no mundo, eu disse ninguém no mundo, nem a sua mãe, te amar do jeito que você fantasiava ser amada. Nem ele e nem Jesus Cristo. Não é sua a responsabilidade e nada, nada do que você fizer pode mudar isso.

Vejo muitas mulheres desesperadas em salvar seu relacionamento. E por "salvar" entenda virar um capacho do marido e mudar o que ele acha que você deveria mudar. Já vi homens comprarem a Playboy e levarem suas esposas a cirurgiões plásticos porque querem a bunda (coxas, peitos, etc) da esposa igual a da revista. Ou pior, esfregarem essas revistas na cara delas para que voltem para o treino de musculação. E a culpa é deles? Não meu bem, é dela. Ela que se sacrifica feito um cão para ser a inexpressiva esposa perfeita. Todos temos uma criança mimada dentro de nós. Desperte a do seu marido e viva no inferno.

Claro que isso não acontece só com as mulheres. Todos tem as suas inseguranças. O problema é que continuamos achando que, para atrair e manter alguém bacana do nosso lado, precisamos ser outra pessoa. Precisamos deixar de oferecer o que temos de mais legal. Deixamos e ficamos tão ressentidos com isso que acabamos, pasmem, descontando justamente em quem queremos manter. Acabamos com aquela velha profecia autorrealizável, que “fulano se apaixona por ciclana, ciclana muda pra agradar fulano, mas no fundo quem o fulano amava era a primeira versão”. 

E isso não existe só nos relacionamentos amorosos, mas nos de trabalho, família... A gente acha que se não disser não, para ninguém, nunca, todos vão gostar da gente. Ninguém gosta de gente sem opinião, sem personalidade. Aquela que todo mundo vai achar legal é severamente atacada, mas também costuma ter a melhor vida. Então, mudar a sua energia (e não o tamanho da sua bunda) é o que importa na equação.

Sim, não estou falando que ninguém possa querer ter características diferentes e lutar por isso. Pode ser que você queira perder peso, ou colocar um par de seios novos. Mas não ache que é isso que vai mudar a sua energia. Essa é de graça, você pode começar agora, aí sentada, acreditando mais em si mesma e no poder que você carrega dentro de si. Não é tecnologia, é magia mesmo! Acredite nisso, acredite que existe uma inteligência em você, uma coisa maior que nem você conhecia. Acredite na sua beleza e no seu poder de atrair o que deseja. Este é um primeiro passo importante para que as coisas realmente aconteçam na sua vida! 

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.