por Paulo Bregantin

O desafio do voluntariado no Brasil

“A mais recente pesquisa sobre voluntariado no Brasil revelou que apenas 3 em cada 10 brasileiros já realizaram alguma ação voluntária na vida. Entre os que jamais doaram parte do tempo ou energia em benefício de alguma obra ou projeto, o principal motivo alegado para isso é ‘falta de tempo’ (40%), ‘nunca foram convidados’ (29%), ‘nunca pensaram nessa possibilidade’ (18%) e ‘não sabem onde obter informações a respeito’ (12%).”

Estamos vivendo num tempo de muitas necessidades e de muitos necessitados. Tempo onde os governos e governantes estão sendo expostos e os problemas de educação, saúde e segurança ficam evidentes. Estamos num tempo de sofrimento com a exposição de mentiras, falcatruas e desonestidade da maioria das nossas estruturas governamentais. Estamos vivendo num tempo onde os “partidos” estão verdadeiramente partidos e já não temos mais como saber como será o futuro nosso e de nossos filhos, netos etc.

Surge então a necessidade do povo agir. Mas como fazer isso? Como nós, como cidadãos, devemos fazer para reverter o quadro que estamos vivendo atualmente? Criticar? Manifestar? Votar? Virar político? Revolucionar? 

Creio que em meio a essas perguntas podemos implementar mais uma: “Por que não ser um voluntário?" Sim! O voluntariado pode ser uma forma de mudar a forma de observarmos a vida. 

Veja, no estudo que escrevi, a sensação experimentada pelas pessoas voluntárias: “Apenas 11% dos brasileiros realizam hoje alguma atividade voluntária. São 16,4 milhões de pessoas que se doam — sem remuneração — em prol de alguma obra ou projeto. Qual é a recompensa? ‘Sensação de bem-estar’ foi a primeira razão apontada pelos entrevistados. ‘Sentir-se útil’ foi a segunda e ‘gratificação pessoal’, a terceira.”

“Sensação de bem-estar”: sim, isso é o que um voluntário ganha quando ajuda outra pessoa. Essa sensação é fundamental para que tenhamos objetivos na vida e pode ajudar muito a ter o desejo de continuar vivendo; pode diminuir dores musculares; pode diminuir as sensações de estresse e angústia; pode amenizar a tensão do dia a dia; pode sanar a ociosidade negativa, dentre outros benefícios. 

Em segundo lugar (através da pesquisa), vem “sentir-se útil”, ou seja, ser alguém dentro do mundo que vivemos, pois hoje o Brasil necessita mesmo de pessoas úteis e, para isso, o voluntariado pode ser uma possibilidade real e verdadeira. 

Em terceiro, a “gratificação pessoal”. Sim! Quando fazemos ações voluntárias ajudando pessoas de alguma forma, nos tornamos mais felizes e a sensação de gratificação torna-se algo real e palpável em nossas vidas. 

Na pesquisa, a maioria das pessoas disse que não tem tempo para fazer ação voluntária e uma outra parte disse que não foi convidada por ninguém para fazer ação social. Cabe aqui um desafio para você que está lendo este artigo. Realmente você não tem tempo para fazer um trabalho voluntário? Verdadeiramente, nunca viu locais para que possa fazer trabalho voluntário? Com essas duas perguntas reflexivas, queria desafiar você a pensar sobre o voluntariado. Sei que os tempos não são bons, porém, se nós não fizermos trabalhos voluntários, o que faremos? A vantagem de um trabalho voluntário é que você pode começar agora e não necessita de preparação prévia. Pode começar já!

Em tempos de dores e tristezas, é fundamental que os voluntários apareçam, pois as soluções, muitas vezes, estão nessas ações voluntárias. 

SEJA UM VOLUNTÁRIO! COMECE HOJE MESMO. 

Paulo Bregantin

+ artigos

Mais de 25 anos dedicado ao cuidado de pessoas, sendo Psicanalista Clínico e escritor com várias obras publicadas. Atua nas redes sociais como dono, gerenciando a página Paulo Bregantin e o Grupo Psicanálise Integrativa.

facebook /Paulo-Bregantin