por Yolanda Coppen

O outono, o frio e as doenças respiratórias

Chegou outono, estação do ano na qual o verde fica amarelado, as folhas das árvores caem, o dia vai ficando mais curto, sente-se o vento correr com maior frequência, a temperatura e a umidade vão reduzindo e preparando a vida para a chegada do inverno.

Por conta do friozinho percebido nas manhãs, as casas, escolas e outros locais ficam por mais tempo fechados, diminuindo a circulação de ar interna. As pessoas se mantêm por períodos maiores em ambientes fechados. A exposição ao sol pelas manhãs ou no final das tardes é reduzida. As roupas de frio, guardadas há algum tempo, vão sendo retiradas lá do armário. Junto com estas mudanças e beleza característica da época, ocorre o aumento dos problemas respiratórios, como processos infecciosos e alérgicos.

O contato mais próximo entre as pessoas em ambientes fechados, com baixa circulação e troca de ar, desencadeia o aumento da quantidade de microrganismos no local e consequentemente a exposição das pessoas a estes agentes infecciosos, elevando o risco para a ocorrência de gripes e resfriados.

A diminuição da temperatura e da umidade do ar proporciona uma “lentificação” do funcionamento de nossas defesas, principalmente as respiratórias. Temos para nos defender a mucosa e os cílios respiratórios (pêlos bem pequenos e finos). A umidade da mucosa (muco) faz com que os microrganismos fiquem “grudados” impossibilitando sua entrada para o pulmão. Já os cílios respiratórios, com seu delicado movimento para o meio externo, empurram o muco contendo microrganismos aderidos, a partir da tosse ou espirro. Para que este sistema de proteção funcione direitinho é necessário calor e umidade, fatores que no outono e inverno diminuem.

Mas o que fazer para evitar ou até reduzir o risco para estes desagrados? Apesar do friozinho é importante sempre manter, de alguma maneira, o ambiente limpo, arejado e iluminado, fazendo o ar circular, renovando o interior do ambiente. Uma janela aberta ou uma fresta faz muita diferença, pois evita o acúmulo de microrganismos causadores de gripes e proporciona a eliminação das partículas alergênicas (“provocadoras de alergia”).

Além do ambiente, precisamos cuidar de nosso corpo, protegendo-o com vestimenta confortável e quentinha, que irá barrar o vento mais frio e a queda da temperatura. Vale lembrar que as roupas precisam de cuidado na aeração, pois mesmo limpas se estiverem guardadas por muito tempo podem ter fatores que causam alergias, como o exemplo dos ácaros (minúsculos aracnídeos domésticos) principais culpados pelas rinites alérgicas.

Outro cuidado é a hidratação e a alimentação. Mesmo no frio é importante que se mantenha a ingestão hídrica, ou seja, precisamos continuar bebendo muita água para manter a hidratação do corpo e facilitar a produção de muco que irá “grudar” os microrganismos ou outras partículas, como comentamos antes. A alimentação equilibrada nos dará nutrientes necessários para o funcionamento correto de nosso corpo e ajudará na produção de anticorpos, responsáveis também pela nossa proteção geral.

Então, para evitar problemas respiratórios, comuns no outono, é importante manter limpos e arejados ambientes e roupas, evitar aglomerações, continuar bebendo muito líquido e ter uma alimentação saudável e equilibrada para esta época do ano.
Com nosso empenho, os problemas respiratórios ficarão longe e o outono será uma estação agradável para apreciar as folhas caídas ao chão e sentir a brisa fresca que bate no rosto. Vamos experimentar?

Yolanda Coppen

+ artigos

Enfermeira, professora universitária. 25 anos de vivência na área de saúde e 14 anos na docência. Formanda pela UNIFESP, com especialização em Administração Hospitalar e Gestão de Efluentes Industriais e mestrado em Comunicação.