por Andrea Pavlovitsch

Pane no sistema

O corpo avisa. Ele vai dizendo, dizendo. Ele nos dá uma sensação de vazio, de angustia, de medo. Ele começa a te colocar na parede, te acorda de noite, te faz esquecer compromissos. Simplesmente é o veículo que o Universo usa para conversar com a gente.

Na semana passada, para mim, foi assim. Eu estava tentando estacionar o carro numa rua perto do consultório e não consegui porque o guardador de carros veio brigar comigo. Queria dinheiro e eu não queria dar (já tinha pago um vigilante de dia e outro a noite). Fiquei com raiva, muito mais raiva do que poderia prever.

Um dia depois, saindo do estacionamento, tomei um tombão. Virei o pé e passei o resto do dia andando que nem ponto e vírgula. No mesmo dia, um cachorro resolveu se refugiar na porta no meu consultório e não me deixava sair de lá de dentro. Fiquei pensando no porque, poxa. Porque tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo? Descobri que era uma coisinha chamada agressividade. Eu estava muito agressiva. Fiquei com raiva demais, acabei caindo de joelhos (cair pode significar que você precisa descer do seu orgulho, ajoelhar-se mais perante a vida). Não deu outra, à noite eu tive uma crise de pânico.

Não, nunca contei isso para muitas pessoas, mas eu sofro de transtorno de pânico. E esta é a única coisa que eu ainda não consegui descobrir de onde vêm, apesar de ter muitas pistas. E agora você me pergunta: mas o que a agressividade tem a ver com o pânico? Tudo. A agressividade é o contrário do medo. Pense num animal que se machuca, tente chegar perto dele para ajudá-lo. A sua intenção é boa, mas ele será agressivo porque está machucado e com medo de você machucá-lo mais. Então a agressividade é só a resposta do medo, uma maneira da nossa consciência nos contar mais sobre nós mesmos.

Quem já teve ao menos uma crise de pânico sabe do que eu estou falando. É o inferno na Terra e eu não desejo isso nem para o meu pior inimigo. É a sensação de morte do corpo. E o pior é que as minhas certezas sobre a espiritualidade não me ajudam em nada nesta hora. Isso porque o pânico é uma resposta do corpo, uma resposta do cérebro. O cérebro entende errado uma informação simples (no meu caso eu acredito que foi uma fraqueza por estar a muito tempo sem comer) e dispara os mecanismos de luta e fuga para que você se salve de um perigo que nem existe. Então, nós (os panicados) interpretamos isso como um problema e vem a sensação de pânico.

Esta é uma doença até comum no mundo e no Brasil. E eu estava há muito tempo protelando e negando a sua existência. Na verdade, meu primeiro ataque de pânico foi há 10 anos. Depois de vários tratamentos eu controlei e fiquei mais de cinco anos sem nenhuma crise. Mas elas voltam, como um defeito que ainda não foi consertado ou, se foi, apresenta um problema para ser remendado novamente. Desta vez eu não pretendo remendar.

Apesar de saber que isso não tem uma cura específica (é o famoso orai e vigiai eternos), já estou num baita tratamento comigo mesma e com meus botões. Muitas sessões de reiki, acupuntura, meditação também estão ajudando. Sei que todos têm uma solução, ou uma história de alguém que consegui se livrar das crises, mas é que tem um detalhe.

Nem todo mundo que tem crise é portador do transtorno. Em épocas mais estressantes das nossas vidas, estas crises podem aparecer de uma hora para outra. Opa, como diria a Pitty: “Pane no sistema, alguém me desconfigurou”. É só reconfigurar que passa. No meu caso, infelizmente, não será assim tão simples. Mas tenho certeza de que preciso de lições com o meu medo irracional, senão eu não teria.

Sei que é estranho uma terapeuta que se confessa. Mas eu não sou pessoa de me esconder nos meus medos (interessante, nunca tive uma personalidade medrosa). Então, só queria passar a experiência para as pessoas que sofrem disso, ou de qualquer outro transtorno considerado emocional. Sim, nós temos isso. E outras pessoas têm outras coisas. E ninguém está certo ou errado. Está apenas sendo.

Eu estou aqui, de público, aceitando quem e o que eu sou. E você, o que vai aceitar sobre você esta semana? Minha perfeição e a sua são muito maiores do que qualquer coisa que se apresente.

É a perfeição da divindade, do Divino, de Deus. E esta ninguém no Universo tem o direito de negar

Andrea Pavlovitsch

+ artigos

Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto e toda forma de arte. Adora pão de queijo com café e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele.