por Silvia Malamud

Você já teve sonhos incomuns?

Tenho certeza absoluta que, em algum momento da sua vida, você já passou pela situação de ter sonhado algo totalmente inusitado. Algo que tirou você do ar por vários momentos e que talvez até hoje traga uma interrogação quando tenta buscar códigos de entendimentos possíveis sobre essa experiência.

De acordo com as pesquisas, pelo menos uma vez na vida você vai passar por algum sonho incomum. O que temos para revelar sobre este instigante assunto relacionado ao universo onírico é imenso considerando a fisiologia do cérebro, neurologia, psicologia e psiquiatria, mas não só.

Hoje mais do que nunca, várias modalidades de estudos revelam a existência de universos comunicáveis e paralelos ao nosso. A inter-relação é provável e ininterrupta. Exemplo: Num determinado local você pode desistir de fazer algo e em outro local pode fazê-lo até o final. A inter-relação acontece através de pensamentos e ideias inóspitas que por vezes temos em relação à algum tema, nos “insights” sobre situações aparentemente impensáveis do modo como nos reconhecemos.

Algumas áreas de estudos preconizam que a mente não é local, ou seja, que ela não reside no cérebro e que apenas se utiliza da máquina biológica que temos para se manifestar neste plano. Com isso nos instigam a pensar que alguns dos nossos "sonhos" seriam lembranças a respeito de supostos contatos, quando o eu terreno unifica-se com algum outro eu de alguma vida paralela. Neste caso, passado, presente e futuro do mesmo modo que coexistem também passam a agir de modo mais consciente nessa linha atemporal perceptiva. Tudo acontecendo simultaneamente num agora ininterrupto. As nossas dificuldades portanto, ainda seriam a respeito da compreensão deste outro paradigma existencial que envolve tempo e dimensões.

Em terapia de reprocessamento cerebral, estados meditativos e outras práticas que transitam pelos estados de consciência, mais portas além dos sonhos ganham espaço de conhecimento para nos acessarmos em tais percepções.

De acordo com alguns físicos, vários corpos diferentes de uma mesma pessoa podem coexistir em diversos tempos e locais simultâneos e cada um teria a sua vida própria, agindo de modo independente, porém, como consciências únicas que são, de algum modo todos estariam influenciando todos!  Essa seria uma das principais premissas que nos fariam pensar nas situações em que em nossos “sonhos” permanecemos num estado que poderíamos facilmente chamar de dupla consciência, ou seja, quando temos consciência de nós mesmos e ao mesmo tempo nos vemos atuando e agindo em outra situação onírica.

Já pensou nisso? Que seriam duas pessoas distintas, dois aspectos da mesma pessoa? Este intrigante tema é para ativar a curiosidade e quem sabe, para que o aficionado em sonhos possa ampliar suas pesquisas.

Tem muita coisa nesse assunto sendo desenvolvida. Uma série  recente de nome “Sense8” desenvolve este fantástico tema. Outros filmes mais antigos como o “13 andar”, ou “The One”, também abordam.

A ideia afinal, é que possamos estar totalmente lúcidos em nossas sagradas jornadas terrenas e que cada um de nós possa se encontrar naquilo que faz sentido. E que no final, estejamos prontos para nos experimentarmos em outros formatos, na vida que segue.

Lembrando que somos o nosso próprio laboratório existencial. Somos parte de um montante energético modulado pela singularidade de cada um, passando por uma experiência única.

Que possamos estar cada vez mais lúcidos, seja em qual sonho estivermos transitando. Quanto mais despertos, melhor!

Silvia Malamud

+ artigos

Silvia Malamud é psicóloga clínica, terapeuta certificada em EMDR e Brainspotting, especialista em sonhos e autora do livro "Projeto Secreto Universos" e "Sequestradores de Almas" da Editora Gente.