por Gustavo Antunes

Sujeito simples e o composto

Acho que todos já ouviram falar sobre sujeito simples e composto na escola, não é mesmo?

Mas aqui vamos tratar isso de outra forma, a realidade é que existem pessoas/sujeitos de diversas formas, cores e sabores, porém, todos eles se dividem entre simples ou compostos.

O sujeito simples é aquele que não busca profundamente entender seus sentimentos, suas atitudes, seu dia a dia, ele simplesmente traz uma natureza instintivamente passiva ao mundo e à vida. Apenas aceita, apenas engole sem digerir ou sentir o sabor das coisas, sem refletir ou sem se opor ao que acontece.

Mas também existe o sujeito composto, esse dá trabalho, aliás, ele É o próprio trabalho. Sabe aquela pessoa que você não entende muito bem os motivos pelos quais faz as coisas, pelos quais vive sua vida ou desvive? Esse é um sujeito composto, usa de seu senso cognitivo apurado para viver, ele recebe altas doses de estímulos a todo instante, tem um senso perceptivo da vida muito aflorado. Portanto, é difícil que algo ocorra em seu dia sem que ele o correlacione a outros acontecimentos, emoções, sentimentos e situações. Faz parte de sua natureza correlacionar coisas, que muitas vezes aos olhos dos outros não aparentam sentido algum e apenas parecem ser traços de uma pessoa de sanidade questionável.

O sujeito composto é um mix de emoção e razão que se fundem numa grande massa questionadora, a todo instante ele encontra explicações racionais ou muito mais emocionais para o que sente, e aos estímulos do ambiente externo.

Muitas vezes pauta sua vida mais pelo emocional, ele enxerga o racional em questão, mas toma suas decisões levando mais em consideração seu guia emocional do que racional.

A arte é uma expressão composta, ao mesmo tempo em que parece simples, ela é composta por diversos significados, informações contidas em cada detalhe, emoções expressas por pinceladas, gestos, notas, cores, formas ou aromas.

Com uma mente um pouco inquietante, e arrisco dizer que talvez mais inquietante do que a média, os sujeitos compostos estão em contínua reforma íntima e de coisas ao seu redor.

São difíceis de acomodar ou de se manterem muito tempo em um mesmo lugar. Por mais que amem algumas características, devido essa expansão que trazem dentro de si, sentem a necessidade da mudança.

Essa expansão da alma pede novas coisas e não é difícil de se ver aqueles que hesitam em escutar o pedido de socorro interno adoecerem, e até sentirem na pele o que o mal interno pode fazer, eles continuarão na mesma situação. Negligenciam o que sentem quando buscam comparativos nos sujeitos simples ao seu redor, para que se sintam confortáveis com suas atitudes e seguros disso. E aí você, leitor, já sabe, não é? Se basear na vida e opinião do outro para que a sua tome um rumo é a maior furada, você veio neste corpo para vivenciar as experiências de sua vida da melhor forma para seu aprendizado e crescimento interno. Afinal, somos partes pequenas de um todo.

Gustavo Antunes

+ artigos

Publicitário de formação, youtuber, diretor de arte, palestrante e escritor nas horas vagas. Também estudioso das leis do universo, espiritualidade e metafísica. Busca entender o que está para além da física, entender o real sentido do que é “SER” humano, do poder que a consciência e da fé raciocinada nos traz.