por Giovanna Sapienza

Relações Kármicas - Uma nova releitura

Hoje vamos tratar deste assunto polêmico que desperta interesse em muitas pessoas. A palavra Karma é um termo originado das crenças budistas, hinduístas, janistas e posteriormente adotado pela filosofia espírita. Em sânscrito, esta palavra significa "ato deliberado” e tem com o intuito de representar a lei da ação e reação, causa e efeito.
 
Em linhas gerais isso significa que cada escolha gera uma consequência e, que cedo ou tarde, temos que dar conta disso e responder por nossas ações. Ao contrário do que muitos pensam, o karma ou cumprimento dele é extremamente benéfico, pois está diretamente associado ao crescimento e evolução do espírito, trazendo luz a uma consciência que antes era completamente ignorante acerca de determinadas verdades.
 
Mas, diante de tudo isso, existe uma particularidade que gostaria de tratar em nosso texto hoje, é a responsabilidade que temos diante da vida e, que na maioria das vezes, fugimos e depositamos a culpa no coitado do karma. Hoje, tudo é culpa do karma, estamos tão acostumados com esta palavra e este tipo de pensamento que com o passar dos tempos perdemos o senso de responsabilidade com o presente.
 
Digo isso porque muitos ao invés de arregaçarem as mangas e partirem para a conquista, ficam sentados em sua posição contemplativa culpando o karma diariamente. Estas pessoas esquecem que a vida está no hoje, no agora e para que consigamos obter resultados satisfatórios e mudanças em nossa vida é preciso se movimentar, aprimorar as suas escolhas e saber qual direção quer seguir.
 

"Muitos, ao invés de partirem para a conquista, ficam sentados culpando o karma diariamente"

Sempre falamos aqui que não existe acaso ou sorte, existe sim preparo, consciência e desenvolvimento pessoal, que te levam a alcançar resultados satisfatórios ou não.
 
Não estou aqui para dizer que o karma não existe e muito menos para desmerecer a importância desta Lei Universal em nossas vidas. Quero sim que você entenda que esta é uma ação natural do Cosmos e do bom funcionamento e manutenção das vidas. Ela está inserida de forma sutil para que possamos nos desenvolver, crescer e sem sombra de dúvidas, quitar nossas faltas oriundas de um passado esquecido. De qualquer forma, você não deve se prender a isso e culpar as leis universais pelo seu fracasso ou infortúnio.
 
Adotamos um posicionamento muito passivo diante da vida, nos conformamos com o “karma” e com as coisas erradas e fora de lugar. Culpamos o Cosmos, a vida, o governo, a cidade, o próximo, o vizinho e nossos parentes por todo erro e falta que se apresenta em nossa vida, e com isso esquecemos da autorresponsabilidade e do nosso papel diante do Universo.
 
Compreenda e aceite: 70% do fracasso presente em suas ações ou relacionamentos, é de total responsabilidade sua. E mesmo os 30% restantes podem ser atenuados e melhorados através de suas ações e tomada de consciência.
 
Tenho certeza que se aprendermos a fazer uma nova releitura deste conceito agiremos com muito mais responsabilidade e produtividade em nossas vidas. Com isso teremos mais chance de aumentar nosso crescimento, desenvolvimento espiritual e, principalmente, poderemos quitar nossas dívidas com muito mais sabedoria e aproveitamento das experiências.
 
Meu mundo é hoje e através dele posso ser e agir da melhor forma; para mim e por todo Universo!

 

Giovanna Sapienza

+ artigos

Terapeuta Holística, Jornalista e espiritualista, fundadora do projeto Saber Pleno. Amante de arte, comunicação e natureza, já estuda espiritualidade e novos caminhos para saúde e bem estar há 5 anos. Acredita muito nas relações pessoais, nos processos energéticos e nos bons sentimentos como caminho para uma vida feliz.

Frase de cabeceira: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.”