por Merit Rabanés

Tarot: o oráculo terapêutico

Este oráculo é bastante conhecido como Tarô de Marselha e Tarô Egípcio. A simbologia de ambos difere, mas o conteúdo arquetípico é o mesmo. É composto por 78 cartas, 22 são chamadas de Arcanos Maiores e 56 de Arcanos Menores. Gosto dos símbolos do Tarô Egípcio e prefiro trabalhar com os arcanos maiores. Neles encontramos a história de toda a jornada evolutiva do ser humano.

Longe de ser um oráculo de adivinhação, o Tarô é um instrumento divino que nos ajuda a refletir, a nos conhecer melhor, a modificar nossos pensamentos, atitudes e comportamento, transmutando nossas possibilidades para crescer como pessoa e evoluir como espírito, alma imortal criada pela Infinita Luz para a felicidade.

Cada vez que buscamos no Tarô uma informação que nos ajude a mudar o que incomoda, a dar o passo certo no caminho mais apropriado, a equilibrar, ajustar, harmonizar e acertar, estamos infalivelmente curando nossos problemas. E passamos a entender o efeito terapêutico do oráculo.

Para alguns ele só serve para obter conhecimento acerca de assuntos interessantes no momento. Para outros ele serve de ferramenta de autoconhecimento, através da qual se investiga o que há de melhor a ser/ter/fazer e o que há de pior para transformar Na vida, nada se perde, tudo se transforma...

Quando o consulente aceita - sempre usando a razão, o discernimento e a intuição - as recomendações do Tarô, cria para si um código de conduta ética que reflete imediatamente em tudo o que vive e produz. Com o seu manual de crescimento interior personalizado (a interpretação em si), aquele que tira do Tarô as lições necessárias, naturalmente se modifica e passa a ser um pólo de consecução, de atração do Bem e do Belo, não de forma milagrosa, mas sim porque exercita a Lei de Ação e Reação.

É dando que se recebe.

Baseado nas recomendações, nas possibilidades que o oráculo sugere, o consulente passa a interagir de forma mais consciente: quebra padrões de crenças negativas, cria novas maneiras de atuar ao perceber mais claramente o próprio potencial e o dos outros; anula ou diminui o personalismo, o egoísmo, passa a agir como defensor da natureza, porque compreende a vida em todas as suas formas; exercita a sua cidadania, porque entende a necessidade das normas para o convívio em sociedade, mas sobretudo evolui e contagia os demais com seu exemplo.

A eficiência da terapêutica do Tarô é simples: as lições do oráculo, quando aceitas e vividas, modificam o estado vibratório do corpo energético, imprimindo no perispírito um novo tom, uma cor própria da Nova Era.

Merit Rabanés

+ artigos

Taróloga, especialista em símbolos egípcios, facilitadora de autoconhecimento e reforma íntima, terapeuta floral e conhecedora de todos os segmentos do mundo holístico. Tenho 54 anos, sou taróloga há 34.